Ensino de História e Educação Democrática: disputas éticas, políticas, pedagógicas e científicas

Fernando de Araujo Penna, UFF – Universidade Federal Fluminense

Fernando Seffner, UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul

O GPD busca agregar trabalhos que guardem sintonia com os desafios do cenário contemporâneo, em particular atentos ao processo de enfraquecimento da densidade democrática em muitos países; aos processos de negacionismo e revisionismo histórico ora em curso em muitas sociedades; a emergência dos temas sensíveis, passados vivos e questões socialmente controversas como matéria do ensino de História; as relações entre políticas públicas de educação, diretrizes e metodologias do ensino de história; as disputas envolvendo a liberdade de ensinar, o direito de aprender e o direito à educação, a gestão democrática da escola, a educação em e para os Direitos Humanos; a defesa das liberdades laicas; a escola como território do aprendizado da antidiscriminação. Aceitam-se trabalhos que analisem a emergência destas questões tanto na forma de projetos de lei, como é o caso daqueles arrolados sob a rubrica “escola sem partido” ou o estatuto da família, proposições legislativas que buscam modificar artigos da LDB e de outras legislações, políticas públicas para o ensino médio ou ensino fundamental, Base Nacional Comum Curricular. Aceitam-se também trabalhos que analisem movimentos sociais com impacto no ensino de história, como é o caso do movimento conhecido como “ideologia de gênero” e as ocupações das escolas públicas acontecidas no país, bem como uma variada gama de reações como as frentes intituladas escola sem mordaça. Estudos que privilegiem a cultura escolar e o cotidiano da sala de aula também serão bem aceitos. Trabalhos de fôlego teórico, articulando educação democrática e ensino de História, são bem-vindos igualmente. Em todos estes ambientes temos assistido embates que trazem impactos para o ensino de história, para o desejável pluralismo democrático nas escolas e para a formação docente.